Cuba Sem Barreiras

Arquivo : arlen lopez

Cuba não teme e doma Dragões na China
Comentários Comente

menon

Ramirez, campeão olímpico, está de volta

Ramirez, campeão olímpico, está de volta

Os Domadores de Cuba conseguiram sua segunda vitória na World Series Boxing (WSB) de 2016, derrotando os Dragões da China, em Sanya, na China. O resultado foi 5 a 0. As lutas foram pelo formato C-1 (49, 56, 64, 75 e 91 quilos). No dia 26, os Domadores irão à Ucrânia enfrentar os Otomanos no formato C-2 (52, 60, 69, 81 e acima de 91 quilos).

Para esta segunda vitória, os treinadores cubanos voltaram a poupar figuras importantes que se preparam para o Pré Olímpico da Argentina, em março,

A noite começou com uma duvidosa vitória:

49: Santiago Amador (CUB) 2-1 (48-47, 47-48, 49-46) a Xin Huang (CHN)

O  cubano começou melhor, mas foi totalmente dominado nos dois últimos assaltos e sua vitória foi contestada até por jornalistas cubanos.

As outras lutas foram:

56: Robeisy Ramirez (CUB) 3-0 (50-45, 48-47, 50-45) a Long Wang (CHN)

A volta do campeão olímpico de 2012 nos 52 quilos foi muito boa. Dominou totalmente o chinês. Robeisy havia perdido o posto de numero um para Andy Cruz, que consegui a vaga olímpica. Entretanto, Cruz subiu para os 64 quilos e Robeisy irá ao Pré Olímpico.

64: Kevin Brown (CUB) 3-0 (50-45, 50-45, 50-45) a Qianxun Hu (CHN)

O lutador de 21 anos conseguiu sua segunda vitória em duas lutas na WSB. Provavelmente irá assumir o lugar de Yasnier Toledo no próximo ciclo olímpico. Seu adversário será Andy Cruz, da mesma idade.

75: Arlen López (CUB) TKO-3 a Minggang Zhao (CHN)

O campeão mundial conseguiu a melhor vitória, um nocaute técnico. É candidato ao ouro no Rio

91: Frank Sanchez (CUB) 3-0 (50-45, 50-45, 50-45) a Mingtao Li (CHN)

Sanchez é a novidade maior. Derrrotou Erislandi Savon, prata no Mundial, no campeonato cubano e sonha em disputar o Pré Olimípico. Savón ainda é  numero um, mas o garoto está crecendo.

 

 

 

 

 

 

 

Más Fotos

Cuba, campeã do mundo. Após dez anos
Comentários Comente

menon

Cuba está feliz. Depois de dez anos, é novamente campeã mundial de boxe. Um título que veio por antecipação, quando ainda falta a segunda rodada de finais, com cinco lutas e a participação de três cubanos.

Arlen López, à direita, garantiu o título a Cuba

Arlen López, à direita, garantiu o título a Cuba

Por enquanto, bastaram os dois títulos na primeira rodada de finais, com Yoahnis Argilagos e Arlen López. O garoto Yoahnis Argilagos, de 18 anos, que havia ganho na categoria cadete há dois anos, repetiu a dose. Derrotou por 3 a 0 (29, 28, 29-28, 29-28) ao russo Vasili Egorov, com um jogo baseado em defesa e rápidos contra-ataques.

Argilagos venceu os dois primeiros assaltos e foi derrotado no último pelo atual campeão europeu. Prata no Pan de Toronto, é uma grande esperança do boxe cubano. Mas não se esperava um título tão cedo.

Foi o quinto título cubano na categoria minimosca. A última conquista havia sido em Belfast-2001 com Yan Barthelemí, que deixou a Ilha em 2007. Em 2013, Yosbany Veitía foi bonze na categoria.

A segunda conquista cubana veio com Arlen López nos 75 quilos. Campeão do Pan em Toronto, ele derrotou o uzbeque Bektemir Melijuziev, prata no campeonato da Ásia. López, que foi campeão mundial cadete em 2009, ganhou por 3 a 0.

A última conquista cubana na categoria foi em Berlim-95, com Ariel Hernández. Emílio Correa foi bronze em Myianiang-2005.

A luta que encerrou a rodada trouxe uma decepção. Erislandy Savón, um dos ídolos da Ilha perdeu para o russo Evgeny Tischenko, prata no útimo mundial. Muito mais alto, o russo foi bem melhor nos dois primeiros assaltos e a reação de Savón no último mostrou-se insuficiente.

Erislandy não conseguiu repetir os feitos de seu tio, Félix, dono de seis títulos entre 1986 e 1997. O último ouro cubano nesta categoria foi com Odlaniel Solis, em 2003. Osmay Acosta foi prata em 2009.

Os resultados:

49: Joahnys Argilagos (CUB) 3-0 (29-28, 29-28, 29-28) a Vasili Egorov (RUS)

56: Michael Conlan (IRL) 3-0 (29-28, 29-28, 30-27) a Murodjon Akhmadaliev (UZB)

64: Vitaly Dunaysev (RUS) 2-1 (29-28, 29-28, 27-30) a Fazliddin Gaibnazarov (UZB)

75: Arlen López (CUB) 3-0 (30-27, 30-27, 30-27) a Bektemir Melikuziev (UZB)

91: Evgeny Tischenko (RUS) 3-0 (30-27, 29-28, 29-28) a Erislandy Savón (CUB)

A última rodada

52: Yosbany Veitía (CUB) vs. Elvin Mamishada (AZE)

60: Lázaro Álvarez (CUB) vs. Albert Selimov (AZE)

69: Daniyar Yeleussinov (KAZ) vs. Mohammed Rabbii (MAR)

81: Joseph Ward (IRL) vs. Julio César La Cruz (CUB)

+91: Ivan Dychko (UKR) vs. Tony Yoka (FRA)

Alvarez e La Cruz vão buscar seu terceiro título seguido. Mesmo se  perder todas as lutas, Cuba terminará com 2 ouros e 4 pratas. Rússia tem 2 ouros e uma prata. E o Azerbaijão, se ganhar suas duas lutas chegará a dois ouros, sem prata.

Com a vitória de Argilados, Cuba conseguiu seis bilhetes olímpicos. Os últimos quatro serão buscados no Pré Olimpico das América. Os candidatos são Andy Cruz (56), Roniel Iglesias, atual campeão olímpico, (69), Erislandy Savón (91) e Leinier Peró (acima de 91).


Savón derruba mais um e garante a dura vitória dos Domadores na Ucrânia
Comentários Comente

menon

O cruzado de esquerda acertou o supercílio direito do bielorrusso Siarnei Karneyeu que foi ao chão para não mais se levantar. Com 1min18 do quinto assalto, Erislandy Savón garantia sua quarta vitória na V Liga Mundial de Boxe. A terceira por nocaute. A outra foi por WO.

Não havia sido a primeira queda de Karneyeu. No segundo assalto, uma combinação de direto de direita e cruzado de esquerdo já havia sido o suficiente  para a abertura de contagem. Interessante e inexplicável é que um dos juízes deu vantagem de 10 a 8 para Karneyeu mesmo savonsavoncom a queda.

Antes do nocaute, Savón vencia por 40 a 34, 38 a 35 e 39 a 37. São números que não demonstravam a verdade e foram desmentidos pelo nocaute.

A vitória de Savon foi a terceira de Cuba. Venceu por 3 a 2 os Otomanos da Ucrânia em uma noitada que deve servir de estudos para os estrategistas cubanos, principalmente em relação ao garoto Yoahnis Argilagos, de 18 anos.

Ele, que estreou no boxe adulto na Série Mundial e que venceu as duas primeiras lutas, sofreu sua segunda derrota. Foi amplamente dominado (50×45, 50×45 e 50×44) por Hasanboy Dusmatov, que já havia vencido suas três primeiras lutas. No ano passado, Cuba dependia nos 49 quilos de Yosbani Veitia, que ganhou suas oito lutas. Ele subiu para os 52 quilos e já venceu seus três primeiros rivais. Enquanto Argilagos não ganha cancha e força, Cuba sempre correrá o risco de começar a noite com uma derrota.

Havia apreensão também nos 56 quilos. Robeisis Ramírez, campeão olímpico, foi preterido uma vez mais. Fala-se em pouca assiduidade aos treinamentos. A vaga ficou com Andy Cruz, de 20 anos que, como havia feito contra Brian González, venceu. Desta vez, com muito mais dificuldades. Omurbek Malekov, do Quirgiquistão, travou uma luta aberta e a vitória de Cruz veio com apertados duplo 48×476 e 48×46.

O horizonte apontava para uma vitória por 4 a 1, pois Toledo e López eram favoritos. Yasniel Toledo, dos 64 quilos, vencedor nos três combates anteriores, chegava também com o peso do currículo de bronze olímpico e duas vezes prata mundial. Além disso tudo, Volodymir Matiichuk era um debutante.

Um debutante corajoso e de um boxe muito feio. Agarrava muito, não permitia que Toledo, muito mais técnico, pudesse lutar. A vitória do cubano foi por 2 a 1 (49×46, 49×45 e um inexplicável 46×49). Como não venceu por 3 a 0 pode ter sua liderança no ranking ameaçada. Os dois primeiros de cada categoria se classificam para a Olimpíada. Nas categorias de 49 e acima de 91 quilos, há apenas uma vaga.

E quem vai sofrer para manter a liderança é Arlen Lopez, dos 75 quilos. Foi amplamente dominado pelo uzbeque Hurshidbek Normatov, que completou sua terceira vitória na série, com contagem de 50×45. 49×45 e 49×46.

Terminada a primeira fase da competição, Os Domadores de Cuba estão invictos, com sete vitórias. Ganharam 31 lutas e perderam quatro, com aproveitamento de 88.6%.

No dia 6 de março, os Domadores vão até o Marrocos enfrentar os Leões de Atlas de Marrocos na categoria C2, nos 52, 60, 69, 81 e acima de 91 quilos.


Pitada de capitalismo ajuda Cuba a fazer dream team no boxe olímpico
Comentários Comente

menon

Desde 2004, em Atenas, quando ganhou cinco medalhas de ouro, duas de prata e uma de bronze, o boxe de Cuba não está tão forte.

A massificação do esporte e sua capacidade de regeneração são importantes para que o time atual seja tão forte. Mas uma boa dose de capitalismo está presente nesse momento de ascensão.

A criação da WSB (Liga Mundial de Boxe tem ajudado muito Cuba). É um campeonato muito parecido com a Liga Mundial de Vôlei. São dois grupos de oito equipes, que se enfrentam em turno e returno. O campeão de cada grupo vai para a semi. Os outros dois saem dos cruzamentos dos segundos e terceiros de cada grupo.

E o que a Liga tem de tão importante para Cuba? É um campeonato semiprofissional, com lutas de cinco assaltos, ao contrário dos três do boxe olímpico. Não há protetores na cabeça e nem no peito.

E há dinheiro. Os lutadores selecionados por cada time recebem um salário mensal. Recebem por lutas que participam. Recebem por lutas ganhas. Por nocautes conseguidos.

Não é só isso. Cuba, desde 2013, mudou também. Todo atleta tem direito a ficar com 80% do que receber em conquistas internacionais, seja um meeting de atletismo ou na Liga.

Evidentemente que um lutador profissional ganha em uma luta mais do que um participante da Liga Mundial possa ganhar dez anos. Mas ganha. E, falando-se de Cuba, o que se ganha permite uma boa vida na Ilha.

Com estas medidas é possível enfrentar, ainda que de maneira incipiente, a saída de lutadores cubanos.

Basta dar uma olhada nos medalhistas de 2004. Guillermo Rigondeaux, que também venceu em 2000, deixou Cuba em 2008. Odlaniel Solis, Yoriorkis Gamboa, Yan Barthelemey e Odlaniel Solis saíram em 2006. Mário Kindelán se aposentou.

Em 2008, saíram Erislandy Lara e Yordenis Ugas, campeões mundiais em 2005.

Ainda há gente saíndo. No ano passado, foram Ramón Luís e Marcos Forestal. Mas há um time muito forte, pronto para lutar por muitas medalhas em 2016.

No próximo post, eu falo sobre os dez titulares da Liga Mundial de Boxe. Ganharam os cinco primeiros encontros, com 24 vitórias e uma derrotas. Eles possuem dois títulos olímpicos e cinco mundiais. Além de dois bronzes olímpicos e duas pratas mundiais. Os titulares são Erislandy Savón, Leinier Peró, Julio Cesar La Cruz, Arlen Lopez, Roniel Iglesias, Lázaro Alvarez, Yanier Toledo, Robeisis Ramirez, Yosvani Veitia e Joahnis Argilagos.

Bicampeão mundial e bronze olímpico, Lázaro Álvarez domina os 60 quilos

Bicampeão mundial e bronze olímpico, Lázaro Álvarez domina os 60 quilos


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>