Cuba Sem Barreiras

Arquivo : cepeda

Cuba “aberta ao mundo” garante vaga no Rio-16
Comentários Comente

menon

Depois de 16 anos – foi apenas sétimo em Sydney-2000 – o vôlei masculino de Cuba voltará a disputar os Jogos Olímpicos. A vaga foi conquistada com uma vitória por 3 a 0 (25/15, 25/21 e 25/21) sobre o Canadá, na final do Pré Olimpíco da Norceca, que contou ainda com México e Porto Rico, também vencidos por Cuba por 3 a 0.

cuba-boletoA vitória é reflexo do recente processo de flexibilização do esporte cubano. Cansado de deserções, os dirigentes agora incentivam que jogadores se transfiram para ligas estrangeiras. As transações são feitas diretamente com as federações cubanas, que ficam com 10% dos valores acordados. Há uma cláusula que garante a presença dos atletas quando a seleção precisar.

Os destaques da jovem seleção cubana – apenas quatro atletas têm mais de 23 anos – atuam fora do país. Rolando Cepeda e Javier Jimenez estão na Grécia, Osma Uriarte na Turquia e Livan Osoria na Argentina. Não são ligas particularmente fortes, mas são muito mais competitivas do que o campeonato nacional cubano, com quatro equipes.

cubaboleto2Rolando Cepeda, de 26 anos, foi o capitão e condutor da seleção cubana. Marcou 21 pontos – cinco aces – na última partida e foi considerado o MVP da competição. Foi ainda o melhor atacante, o melhor oposto e o melhor serviço.

Ricardo Calvo, de 18 anos, foi eleito o melhor levantador, Uriarte foi o segundo melhor atacante e Osoria o segundo melhor bloqueador.

Além de Cuba, estão classificados Brasil, Argentina, Estados Unidos, Itália e Russia. O time cubano não tem esperanças de medalha, mas pode surpreender alguns favoritos. Teria ilusões muito maiores caso o projeto de “flexibilização” não fosse tão recente. Há jogadores de altíssimo nível espalhados pelo mundo, como Wilfredo Léon, Robertland Simon, Yoandri Leal, Osmani Juantorena…

A classificação foi um tipo de bálsamo para Gilberto Herrera, um dos treinadores ao lado de Rodolfo Sánchez, ex-jogador dos tempos melhores do vôlei cubano.

Herrera era o técnico da seleção cubana que venceu a Copa dos Campeões em 2001. Seis meses depois, a seleção estava na Bélgica para alguns amistosos quando seis jogadores – Ihosvany Hernandez, Angel Dennis, Lionel Marshall, Ramon Gato, Yasser Romero e Jorge Luis Hernandez – deixaram a concentração e abandonaram a seleção.

O treinador ficou sem time e depois sem emprego. Foi trabalhar em clubes da Espanha e na seleção da Venezuela. Agora, voltou. Cuba está novamente na Olimpíada e com menos perigo de deserções que fazem o recomeço ser uma constante no voleibol da Ilha

 


Bloqueio impede Cuba de receber 102 mil dólares por título no basebol
Comentários Comente

menon

Em 17 de dezembro do ano passado, os presidentes Barack Obama, dos EUA, e Raúl Castro, de Cuba, surpreenderam o mundo com anúncio de medidas políticas e econômicas que flexibilizavam as relações entre os dois países.

As embaixadas ainda não foram abertas mas as negociações continuam. Cuba exige sair da lista de países que ajudam e propagam o terrorismo internacional, algo que corrigiria uma grande injustiça. E o bloqueio econômico ainda continua. Só pode ser derrubado pelo congresso.

caribeO bloqueio afeta o esporte, como o basebol, por exemplo. A equipe Vegueros de Pinar del Rio, representante de Cuba, venceu a Série do Caribe, enfrentando equipes de Porto Rico, República Dominicana, México e Venezuela e não pôde receber o prêmio de 102 mil dólares devido ao campeão.

A Série do Caribe é um campeonato que tem o patrocínio da Major League Baseball que segue as determinações do Departamento de Controle dos Bens Estrangeiros nos EUA. E ela é explícita ao dizer que nenhum cubano residente na Ilha e nem organismos estatais cubanos podem receber pagamentos em dólares por qualquer tipo de transação. Os jogadores Gourriel, Cepeda e Despaigne, eleitos para o Jogo das Estrelas, também não receberam prêmios em dinheiro.

E, se o bloqueio continua, as autoridades do basebol americano anunciaram medidas que facilitam a deserção de jogadores cubanos. Não é mais preciso que peçam permissão oficial ao governo dos Estados Unidos para firmar contrato com as franquias da MLB. Uma simplificação em relação ao antigo processo em que os jogadores precisavam estabelecer residência em um terceiro país.

E os jogadores que assinarem contrato precisam declaram que não são mais cidadãos cubanos. O texto que assinam é o seguinte “Declaro que assumir residência permanente fora de Cuba. Além disso, declaro que não pretendo voltar a Cuba e que não me permitirão voltar. Declaro também que não sou funcionário do Governo de Cuba e que não sou membro do Partido Comunista de Cuba”.

As decisões dos EUA são contrárias ao modelo de abertura idealizado por Cuba e que está em vigor com o Japão. Os atletas são liberados para jogar, através de contratos preparados conjuntamente entre as entidades esportivas dos dois países e se comprometem a voltar a Cuba para defender a seleção em competições internacionais.

Há cubanos que acreditam que o baseball possa ser a maior fonte de divisas de Cuba, caso um acordo desse tipo seja firmado com a MLB. Mas, ao contrário do que dizia Garrincha, não adianta combinar com os russos. É com os americanos mesmo.

O TÍTULO

A comemoração começou no domingo, dia 8,  à noite, quando a televisão cubana mostrou a vitória por 3 a 2 sobre os Tomateros de Culiacán, campeão da liga mexicana, que levou os Vegueros de Pinar del Rio ao título da Série do Caribe.

A última conquista foi em 1960. Então, Cuba foi expulsa da OEA e impedida, pelos Estados Unidos, de participar da competição. Voltou no ano passado e ficou em último. E agora, quando tudo parecia apontar para novo fracasso, veio a conquista.

As duas primeiras partidas foram de derrota 2 a 1 contra os Tomateros e 6 a 1 contra os Gigantes de Cibao, da República Dominicana.

Veio então nova derrota, com a deserção de Wadmir Gutierrez e Danier Moreira. A delegação culpou a nova lei americana, que facilita a entrada de cubanos na MLB. Os jogadores leram uma carta em que se mostravam contra o assédio e dispostos a lutar até o fim por uma boa presença na competição.

Na terceira partida, uma vitória sofrida. Cuba venceu Cangrejos de Santurce, de Porto Rico, por 3 a 2, com a necessidade de um décimo inning de desempate. Toda alegria por uma nova postura ficou em xeque com nova derrota, por 2 a 1 para Caribes de Anzoategui, da Venezuela.

Cuba folgou na última rodada e se classificou porque os resultados dos outros rivais ajudaram.

Frederich CepedaChegou à semifinal contra o último adversário, Caribes de Anzoategui. Estava perdendo por 4 a 0 e começou uma estupenda reação com o veterando (34 anos) Frederich Cepeda, eu atua nos Gallos de Sanct Spiritus e nos Gigantes de Yomiuri, no Japão.

Quando o time estava perdendo, Cepeda e todos os outros reforços eram contestados. O torcedores diziam que era um absurdo haver deixado de fora jogadores de Pinal del Rio que lutaram pelo título nacional para buscar reforços.

Agora, após a reação que transformou o 0 a 4 em 8 a 4 e a vitória final por 3 a 2 contra os Tomateros, Cepeda voltou a ser herói.

Entre os analistas cubanos, porém, impera a prudência. Todos comemoram o título ansiado, mas lamentam a falta de “rodagem” dos cubanos. Apenas cinco atuam no Japão, enquanto alguns dos rivais estão inclusive na MLB. Talvez com as mudanças políticas seja possível que os cubanos atuem também na MLB e na seleção.

Por enquanto, apenas os que abandonam a delegação cubana podem atuar nos EUA.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>